domingo, 27 de maio de 2012

Carta a um amigo

Prezado amigo,

 Como vão as coisa?
Te escrevo para dizer que estamos com saudades de ti. Sentimos falta de tuas idéias revolucionárias e criativas. Restaram-nos agora novelinhas de romance para assistir. Incomoda-me tanta paz em nosso movimento. As pessoas andam sorridentes e contentes demais para meu gosto. Digo-te mais: novas carnes já chegam se achando bife de primeira, e logo aderem ao partido dos elevados de espírito. É lamentável notar que a idéia de termos novatos sendo convidados para um relacionamento longo e benéfico não está funcionando. Os mais antigos, como tu, foram exilados também. Não fiz metade do que fizeste, mas já sinto a sutileza de coisas esquisitas acontecendo... Eu ouvi dizer que perdeste o tesão em nós, e confesso lamentar profundamente. Pois nunca vi mais viceral amor do que o teu. Teu lugar sempre foi esta casa. Tu nasceste, criaste e cresceste  aqui.
Minha preocupação é o rumor de que andas bebendo para esquecer. Te esclareço algo: beber só vai aumentar a vontade de lembrar, pois como disse o nosso mestre Chaplin: "A verdadeiro caráter de um homem se mostra quando ele está bêbado". Volte pra casa, rapaz, ou pelo menos nos diga pra onde vais...

Gleydson Góes


sexta-feira, 25 de maio de 2012

João Cândido Portinari

"A arte é o espelho da pátria. 
O país que não preserva seus valores culturais jamais verá a imagem da sua própria alma." (Chopin)

O Analfabeto Político (Bertold Brecht)


"O pior analfabeto é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política.
Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."

terça-feira, 15 de maio de 2012

Fim dos habitantes do Mundo

Se caísse um meteoro gigantesco agora sobre as cabeças desses cerca de 7 bilhões de animais que se intitulam "racionais", e os surpreendesse de maneira devastadora; a terra, certamente, não sentiria a menor falta dos ditos cujos... 
Em vez disso, se alimentaria deles. E de maneira natural se auto-ajustaria.

Porém, se apenas uma porção do planeta desses bípedes idiotas e mesquinhos fosse atingida, e suas funções naturais, como temperatura, nível dos mares e  o movimento das placas tectônicas sofressem drástica alteração, sem dúvida alguma os "civilizados" amargariam as conseqüências.

Chego a conclusão que somos todos intrusos num planeta completo, cheio de seres microscópicos poderosos, cujas peças se encaixam perfeitamente e que é altamente indiferente à nossa "significância".

Penso eu que, se o planeta terra pudesse pensar, com certeza se sentiria finalmente em paz pela diluição de seres que, como carrapatos, ou se preferirmos piolhos, exploram as riquezas do mundo e depois acabam por se devorarem uns aos outros para ver quais deles se tornarão o mais gordos e cheios de posses.

Para concluir, acho muito engraçado tudo aquilo que dizemos ser coisas sérias de verdade, e de alta responsabilidade, pois somos os seres que menos se preocupam com a seriedade das coisas, pois deturpamos os valores de tudo que tocamos para satisfação de nosso próprio ego.

Tudo bem... Pode ser que eu esteja "generalizando" demais. Porém, ao lembrar que a desordem em que organizadamente vivemos é generalizada, me perdôo e durmo em paz!

Gleydson Góes 

domingo, 6 de maio de 2012

Menino de Engenho

Com agulha de tricô nas mãos, dona Zezinha modela um mimo para o netinho do coração, o filho de Eduardo. Contou-me com algo de pesar nos olhos, que Eduardo, depois de ter virado pai, pensava ajuntar-se de vez com a mulher.

"Ah, como vai fazê falta, meu fio... Mas fico feliz porque ele tem que cuidá da família dele, né verdade?"

Eu meneava a cabeça positivamente...

"Lembro-me como se fosse há 14 anos atrás: Eduardinho passava com uma garrafa de plástico pra pescá... Amarelinho do cabelo enrolado, que só veno. Naquela época ele morava só com o pai, seu Agenor, num sítio distante. Foi quando Lourival chamou ele pra pastorá boi mais os minino... Sabe? Teve uma vez que o bichinho pegou meu Omo e polvilhou por cima da roupa, rapai, estirada na beira do rio, pareceno uma tapioca com farinha por cima." 

 Dona Zezinha ri da lembrança. 

"Aí eu peguei e disse a ele: meu fio, deixe uma parêa de roupa que eu lavo pra você. Foi a última vez que ele lavou roupa, meu fio. Já tá com 28 anos, meu rapaz... Seu Agenor disse que a mãe dele tinha ido embora quando ele completou 08 anos de idade. Pronto... Dali pra frente foi só seu Agenor e Eduardo. Sim, voltando ao assunto: como o sítio que ele morava era longe, ele passou a dormir lá em casa. Os anos se passou e o pai dele casou de novo, mas ele ficou com a gente. Lourival, meu marido, gostava dele porque era um minino esforçado que só!
Aí, quando a gente se mudou pra cidade, por causa da barrage, ele veio também. Fico toda orgulhosa quando ele apresenta os minino como irmão e irmã... Me chama de mãe até hoje, e nunca deixou de me ajudar quando eu mais precisei, meu fio... Perto??? Eu sei que ele não vai pra longe. Mas o vento vive perto e ninguém consegue abraçá ele, né meu fio? Ha, ha, ha..."

Dona Zezinha faz silêncio por alguns segundos; quase exatamente 60 segundos.

"Qué mais café, meu fio?"

Passam das 16h30 quando tomei a última xícara de café. Volto pra casa sob chuva fina, sendo de longe observado pela velha avó, mãe e amiga dona Zezinha. Meu Deus, que café gostoso! 
Dona Zezinha me fez ter "pena" do mundo inteiro, que caminha segamente, à passos longos, para o desenvolvimentismo, para o piso asfaltado quente e frio, para os produtos em escala industrial, para a massificação das pessoas, dos pensamentos, dos sentimentos...

Ah, dona Zezinha, quem dera o mundo todo fosse tão doce quanto teu coração, que só expira amor.

Gleydson Góes

20 Anos Blues (Elis Regina)

Porque hoje eu me senti meio blues, mas nada consegui falar...
Que a música fale por mim! 


quarta-feira, 2 de maio de 2012

Nada é Impossível de Mudar (Bertold Brecht)


Desconfiai do mais trivial ,
na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente:
não aceiteis o que é de hábito como coisa natural,
pois em tempo de desordem sangrenta,
de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada,
nada deve parecer natural, 
nada deve parecer impossível de mudar!

terça-feira, 1 de maio de 2012

Petição ANULAÇÃO aos 62%

DIGA NÃO AO AUMENTO ABUSIVO DE 62% NO SALÁRIO DOS VEREADORES DE RECIFE!

Clique AQUI para assinar a petição. Divulgue em seus contatos de e-mail, redes sociais, não deixe de manifestar sua posição. Levaremos a petição ao Ministério Público de Pernambuco.

Nossas considerações para a anulação:

  1. Cenário de crise mundial: exige contenção de gastos públicos, maior controle de despesas e melhor eficiência na gestão de recursos públicos.
  2. Aumento inconsistente com o percentual de crescimento dos salários dos trabalhadores brasileiros.
  3. Falta de transparência na condução do aumento, leia mais na matéria do JC.  
Nota:

Este post foi  extraído do blog da OPECC (Organização Pernambucana Contra Corrupção).
Para mais informações sobre eventos anti-corrupção e acompanhamento do desenrolar dos pleitos, visite o blog da Organização!

História do Dia do Trabalhador

O Dia do Trabalho é comemorado em 1º de maio. No Brasil e em vários países do mundo é um feriado nacional, dedicado a festas, manifestações, passeatas, exposições e eventos reivindicatórios. 
A História do Dia do Trabalho remonta o ano de 1886 na industrializada cidade de Chicago (Estados Unidos). No dia 1º de maio deste ano, milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho, entre elas, a redução da jornada de trabalho de treze para oito horas diárias. Neste mesmo dia ocorreu nos Estados Unidos uma grande greve geral dos trabalhadores.

Dois dias após os acontecimentos, um conflito envolvendo policiais e trabalhadores provocou a morte de alguns manifestantes. Este fato gerou revolta nos trabalhadores, provocando outros enfrentamentos com policiais. No dia 4 de maio, num conflito de rua, manifestantes atiraram uma bomba nos policiais, provocando a morte de sete deles. Foi o estopim para que os policiais começassem a atirar no grupo de manifestantes. O resultado foi a morte de doze protestantes e dezenas de pessoas feridas.

Foram dias marcantes na história da luta dos trabalhadores por melhores condições de trabalho. Para homenagear aqueles que morreram nos conflitos, a Segunda Internacional Socialista, ocorrida na capital francesa em 20 de junho de 1889, criou o Dia Mundial do Trabalho, que seria comemorado em 1º de maio de cada ano.

Aqui no Brasil existem relatos de que a data é comemorada desde o ano de 1895. Porém, foi somente em setembro de 1925 que esta data tornou-se oficial, após a criação de um decreto do então presidente Artur Bernardes.

Fatos importantes relacionados ao 1º de maio no Brasil:

- Em 1º de maio de 1940, o presidente Getúlio Vargas instituiu o salário mínimo. Este deveria suprir as necessidades básicas de uma família (moradia, alimentação, saúde, vestuário, educação e lazer)

- Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores.

Fonte: http://www.suapesquisa.com/datascomemorativas/dia_do_trabalho.htm